“Eu me desvinculei e não quero nem saber”, Diz ex-ministro Vélez Rodríguez sobre educação

Época • 08 de julho de 2019

Com quase 600 mil habitantes, a cidade de Londrina, no Paraná, se tornou um polo do conservadorismo educacional no Brasil. Vive lá o primeiro gestor do Ministério da Educação (MEC) do governo de Jair Bolsonaro, Ricardo Vélez Rodríguez. Também na cidade paranaense, Carlos Nadalim, atual secretário de Alfabetização do MEC, coordenou a escola Mundo do Balão Mágico, onde adquiriu sua experiência com o método fônico, carro-chefe da política de letramento do ministério em oposição à pedagogia de Paulo Freire, conhecida internacionalmente. Depois de exportar nomes para compor a pasta nos últimos meses, Londrina foi uma das primeiras cidades a sediar, na última quinta-feira, uma reunião do grupo Docentes pela Liberdade (DPL), organização de professores conservadores de universidades públicas e privadas. Vélez, porém, não foi convidado.

O ex-ministro, que protagonizou uma das primeiras crises do novo governo, está fora dos holofotes desde que foi demitido do cargo, em abril — e, ao que parece, pretende continuar assim. A reportagem entrou em contato com Vélez para saber se o docente, um dos expoentes do conservadorismo no início do mandato de Bolsonaro, já participou de alguma atividade do DPL, mas, além de estar de fora do movimento, o ex-gestor não está interessado no que acontece na educação do país desde que foi retirado da pasta.

“Estou descansando, com o tempo [talvez participe]. Agora, não”, disse, ao ser questionado se pretende voltar a trabalhar com educação. Ele emendou, sobre suas impressões a respeito do que tem ocorrido na pasta: “Eu me desvinculei e não quero nem saber. Estou tão desvinculado que não sei de nada”.

O DPL é organizado por professores de diversos estados do país, incluindo Ricardo da Costa, docente da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e ex-assessor especial de Vélez no MEC. Costa é um dos poucos egressos da antiga gestão que continuam com cargo na pasta após Abraham Weintraub assumir o comando. De acordo com as palavras do próprio, “um dos poucos totalmente da área da educação”. Costa disse que atua em trabalhos internos relacionados à área acadêmica, que também é o foco do grupo Docentes pela Liberdade. Perguntado se o antigo chefe, Vélez Rodríguez, tinha sido cogitado para participar do DPL, Costa afirmou que a rotina atribulada impossibilitou o convite.

Noticia publicada no site ÉPOCA, em 06/07/2019, no endereço eletrônico: https://epoca.globo.com/eu-me-desvinculei-nao-quero-nem-saber-diz-ex-ministro-velez-rodriguez-sobre-educacao-23788233


Restrito - Copyright © Abrafi - Todos os direitos reservados