Negros com ensino superior têm mais dificuldade para encontrar trabalho qualificado

G1 • 10 de novembro de 2020

Fonte da Notícia: G1

Data da Publicação original: 10/11/2020

Publicado Originalmente em: https://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/2020/11/10/negros-com-ensino-superior-tem-mais-dificuldade-para-encontrar-trabalho-qualificado.ghtml

Carteira de trabalho — Foto: Mauro Pimentel/AFP/Arquivo

Os trabalhadores negros qualificados foram bastante penalizados pela piora do quadro do emprego no país nos últimos anos e compõem o grupo da população com mais dificuldade para atuar na carreira cursada no ensino superior. Diante desse cenário, acabam exercendo ocupações de menor qualidade.

Entre o primeiro trimestre de 2015 e 2020, a parcela dos trabalhadores negros sobre-educados – aqueles que cursaram ensino superior, mas atuam em cargos de nível médio ou fundamental – foi a que mais cresceu, mostra um estudo da consultoria IDados.

Pelo levantamento, 37,9% dos homens negros e 33,2% das mulheres negras estavam na condição de sobre-educados no primeiro trimestre deste ano. Em 2015, essa relação era mais baixa, de 33,6% e 27,3%, respectivamente.

Para os trabalhadores brancos, também houve uma piora, com o crescimento de pessoas sobre-educados, mas esse movimento foi observado em menor grau. Entre os homens, a fatia de brasileiros com ensino superior, mas que atuam em cargos menos exigentes passou de 27,2% para 29,6%. No recorte feminino, essa variação foi de 24,9% para 27,8%.

Diploma sem valor — Foto: Economia G1

"A discriminação é, sem dúvida, um dos motivos do aumento de sobre-educados entre os negros. Há inúmeras evidências de que existe discriminação na hora da contratação quando o funcionário é negro", diz a pesquisadora do IDados e responsável pelo estudo, Ana Tereza Pires.

Há outras razões que ajudam a explicar o aumento mais intenso da quantidade de negros entre os sobre-educados. A política de cotas nas universidades, por exemplo, teve sucesso e ajudou a aumentar a quantidade de negros com diploma de ensino, mas o mercado de trabalho foi incapaz de absorver a chegada desses novos profissionais.

De 2011 a 2015, a quantidade de homens negros ocupados com ensino superior cresceu de 1,7 milhão para 2,7 milhões, enquanto as mulheres negras com diploma aumentou de 2,5 milhões para 4 milhões.

"A própria competitividade do mercado de trabalho também pode fazer com que um diploma não seja suficiente. Às vezes, a facilidade que é dada para o homem branco, por exemplo, de estudar numa escola particular, fazer cursos de inglês e ter outros treinamentos, pode se tornar um fator extra que acaba pesando na hora de o empregador tomar a decisão", diz Ana Tereza.

Um mapeamento realizado pelo Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert) em vários setores da economia também ajuda a identificar como a presença de trabalhadores negros é baixa nas áreas que demandam alta qualificação e especialização, mas cresce em atividades que não exigem diploma de nível superior.

No setor bancário, apenas 23,1% dos empregados formais são negros. Nas empresas aéreas, essa relação é de 29,7% e, no setor de óleo e gás, chega a 34,6%. Na outra ponta, a presença de negros é majoritária no setor de telemarketing (64,1%), limpeza urbana (55,4%), e segurança (52,9%).

"Não existe uma regra dentro da instituição que diga: ‘não, não vamos contratar negros para a coordenação, não vamos colocar negros nos lugares de altos salários’”, diz o sociólogo e diretor do Ceert, Mario Rogério. "Existe uma informalidade que vai tirando alguns grupos de determinadas posições."

Demitida na pandemia

Formada em biblioteconomia, Tabata Alves da Silva, 32 anos, foi demitida de uma empresa do setor de educação no início deste ano por causa da pandemia provocada pelo coronavírus. Hoje, trabalha como operadora de negócios.

"Eu fiquei desempregada no início da pandemia em junho. Há 15 dias, comecei a trabalhar como operadora de negócios, que é como uma operadora de telemarketing", diz.

Ao longo da sua carreia, Tabata já passou por empresas grandes empresas nacionais e por multinacionais e diz que a dificuldade que mais enfrentou foi subir de posições na carreira. Agora, com um emprego de mais baixa qualidade, o que ela recebe de salário só é suficiente para pagar o aluguel.

"Quando eu perdi o trabalho, tinha algumas dívidas e parte do dinheiro (da rescisão) foi para quitá-las. Considerando o salário que recebo, ele não cobre metade dos custos que eu tenho. Só pago o aluguel", afirma. "O que está segurando as pontas é uma reserva financeira."

Morando em São João da Boa Vista, Tabata diz que é difícil encontrar vagas na sua área no interior de São Paulo, mas espera se restabelecer nos próximos meses.

"Aparecerem algumas vagas na capital, em São Paulo, mas a concorrência é enorme", afirma. "O meu plano é que eu consiga me reestruturar daqui a seis meses e encontrar um outro trabalho para equilibrar as minhas contas."

Novas práticas

Nos últimos meses, algumas empresas optaram por iniciar processos seletivos exclusivos para contratar trabalhadores negros.

Em julho, a Ambev abriu programa de estágio para recrutar 80 universitários negros. Em setembro, a Magazine Luiza também anunciou um programa de trainee destinados para trabalhadores negros.

A decisão das empresas de abrir processos seletivos para negros levou a uma discussão sobre a legalidade do processo, mas as medidas foram endossadas por advogados.

"As ações afirmativas vão sendo o caminho para mudar essa realidade de alguma forma", afirma Mario, Ceert. "Essa realidade só pode ser superada por meio de ações direcionadas e específicas."


Restrito - Copyright © Abrafi - Todos os direitos reservados